vendredi 31 mars 2017

Semente


Sempre a mesma panela, cheia de histórias. Sem pressão, por ora. Seleciono os grãos e deixo-os escorrer até o fundo. Não há muito o que se deitar fora: nem pedras nem grãos estragados. O tempo corre fácil ao som dessa cachoeira miúda. São meus dedos que escolhem a força da queda d'água.

Embaladas por esse som, dançam as belas palavras sobre a Trindade. Escuto com atenção dividida, mas não menos atenta, a mensagem. Afinal, tudo está sob a mesma mesa. Os caroços de feijão, os ruídos que escorregam pelos meus ouvidos. Alimento preparado, partilhado, degustado.

De repente ele veio. Não o chamei. Apenas esfreguei com mais força os grãos e a música se intensificou. Ele adora sons. Aperta o dedo na bochecha, arregala os olhos e solta um imenso ó, ao ouvir algo novo. Pressenti que a experiência sensório-musical lhe traria um prazer incontido.

Coloco entre as pernas a panela. Ele corre para pegar os caroços sob a mesa. Não sabe muito a respeito de selecionar. Seu mundo é mais feito de amálgamas que de separações. Ouve com facilidade o feijão, a minha voz e a voz que anuncia a Trindade. Continua a correr para pegar os grãos. Fatalmente eles tombam no chão. As mãozinhas miúdas não conseguem carregar o tanto de alegria que gostariam.

Reclama um pouco por ter de juntar o que cai. Reproduz um universo adulto, cansado de tomar tempo com o que cabe no tempo. Cata um por um, coloca na panela. O ápice da história são as mãozinhas afundadas no feijão, as perninhas trêmulas de tão felizes, quase saltitantes, os olhos que não param de sorrir para mim, o aprendizado da palavra que, por fim, traduzirá o momento. Ou, ao menos, tentará.

Olho com satisfação. Em algum lugar de mim o texto se escreve. Enquanto isso, numa outra e mesma terra caem as sementes da Trindade. Ou talvez seja primeiro num maço de algodão molhado. Como aquele que a gente espia ansioso nos tempos de escola para ver que, sim, a semente pode brotar. Tanta água sobre si cotidianamente…

Vê-la saindo desses filamentos branqueados, dessa neve, dessa página, dessa trégua, dessa dor, é como um suspiro profundo. Ainda que o caule que a sustente seja frágil, ele carrega a cor da esperança, como se convencionou dizer. E há esse olhar-menino posto sobre ela. Vibrante.

O pequenino grão me trouxe para fora, quando, na verdade, foi eu quem lhe apresentei a vida. E brincamos. Na soma das vozes e dos sorriros, a Trindade. Mãos dadas a cirandar. Céu que pousou sobre nós. Céu que jamais se afastou de nós, amalgamado à vida toda. Famílias reunidas nessa mesa hoje e desde sempre. Filho, feijão, semente minha. Hoje, nasci mais uma vez.

6 commentaires:

  1. "O pequenino grão me trouxe para fora, quando, na verdade, foi eu quem lhe apresentei a vida." - Lindo isso!!! Que texto gostoso! :)

    RépondreEffacer
  2. Este texto é tão belo que parece música. Quem dera se todas as canções tivessem o seu ritmo!
    Há beleza das cenas mais cotidianas e "ordinárias". Obrigado!

    RépondreEffacer
  3. Que comentário lindo e cheio de generosidade. Obrigada, Lissânder.

    RépondreEffacer